Quando, há três anos, aqui escrevi sobre como o título do Benfica ofuscou as celebrações dos 40 anos do 25 de Abril, longe estava de pensar que o superlativo dos três F’s da nossa cultura iria ocorrer tão pouco tempo depois.

Em 1992, por entre o hype do grunge e da música alternativa em geral, o rock estava a morrer… Nirvana, Pearl Jam e Oasis ditariam as regras do mainstream da década e nem mesmo o “album preto” dos Metallica serviu para equilibrar a balança.

Pode ser um nome quase desconhecido (pelo número de pessoas na sala, isso fica claro), mas poucos músicos terão tido uma carreira mais rica, diversificada e, ao mesmo tempo, visível e bem no centro do mainstream das últimas 4 décadas

Após um interregno de mais de 10 anos, foi a recuperação de Sofia Lisboa (que ultrapassou um cancro, muito pela dádiva de medula óssea, feita pela sua própria irmã) que motivou o breve regresso para 4 noites mágicas nos Açores, na Madeira, em Guimarães e, agora, em Lisboa.

Mesmo à beira de mais um aniversário redondo, lembrei-me de escrever para a Radar.FM a sugerir uma hora de música para o programa “A Hora do Bolo”. Não acharam interessante, não foi para o ar.