Faz agora 2 anos que, após aceitar um desafio da Equipa P3 (obrigado, Amílcar e Andréia), me aventurei a adivinhar o que seria o dia de hoje, 22 de Setembro de 2015, data do 4º aniverário do P3.

O consumismo recorre a argumentos quase inimagináveis para atingir os seus alvos…

Quando o marketing é levado a sério, como uma ferramenta que pode fazer a diferença, surgem ideias loucas que acabam por ver a luz do dia, como esta que a NBA está a considerar.

Nota: o P3 faz 2 anos e, como cronista, fui desafiado para fazer futurologia até 2 anos à frente.

Todos sabemos de marketing… todos sabemos o que é melhor para nós mesmos em termos de imagem e comunicação… todos temos opinião sobre cores, formas e formatos. Certo?

Há poucos dias, a Facebook (empresa) anunciou o lançamento do seu cartão-oferta, apropriadamente chamado de Facebook Card, o qual pretende ser um cartão multi-propósito onde coexistem vários saldos, um por cada loja/vendedor onde o utilizador tenha adquirido (ou lhe tenha sido oferecido) um valor em dinheiro.

Muitos ainda se lembrarão de nomes como Lycos, Altavista, Excite, InfoSeek, WebCrawler ou Dogpile, mecanismos de pesquisa [ver timeline] que apareceram na primeira metade da década de 90 (se calhar, acedidos via um browser “Mosaic”, “Arena” ou “Netscape”).

As organizações debatem-se permanentemente com o dilema de se o social media (nomeadamente Facebook, Twitter, Google+, LinkedIn e/ou outras plataformas de networking ou mesmo chat) deve existir ou, por outras palavras, deve ser autorizado aos colaboradores em horário de trabalho.